quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

O AMOR... RELÓGIO ABANDONADO
(Vanilson Reis)
O amor é uma dádiva
da eternidade dos sonhos,
é planejado com a antecipação
dos fatos
como as rodas que seguram
o carro na velocidade.

Seria importante amar demais
quem nossos olhos miram
à luz da saudade tamanha,
mesmo nas horas apressadas
de um relógio abandonado.

Como o amor é tão descentralizado
do início até o romance,
não faz cálculos dentro das datas,
em doces e amargos
se desembesta sem horizonte
nas locadoras da vida.

Um dia o amor do mundo será sério
como a palavra de Jesus Cristo,
e todos vão chorar de medo
a falsidade colocada em prática
em momentos de poesia.

Aí sim!...
Sua mulher e a minha
sorrirão ao espetáculo do amor,
à cena dos artistas
e a verdade será outra!

Um comentário:

xikomejndes@yahoo.com.br disse...

PARABÉNS, VANILSON! Esse é um excelente poema como tudo o que você faz. Como é bom acordar pela manhã, abrir esse blog e ler textos como esse seu, que enobrece a alma, rejuvesce o sentimento, sacode a aurora e faz-nos contemplar o céu como dimensão absoluta na infinitude da busca pelo amor abnegado, sem preço, e puderes reprimidos na garganta do homem civilizado.

XIKO MENDES