sábado, 19 de fevereiro de 2011

QUANDO A ALMA SE SOLTA
(Kora Lopes)
Perco-me na imensidão do horizonte
Que ao longe se descortina
E de novo me sinto pequena,
Apenas uma menina
Que quer beber na fonte
Dos sonhos, e voar sem qualquer destino
Para desvendar os segredos
E todos os medos
Que ainda povoam meu coração...
Lá, talvez eu me encontre
E saia nas asas da ilusão
Para buscar os sonhos perdidos,
Que ainda vivem escondidos
Nos recônditos do meu coração.
No meu horizonte eu sei
Que a minha alma se solta,
Por isso eu nele me perco
Para fugir desse cerco
Que existe à minha volta...

Nenhum comentário: